quinta-feira, 28 de julho de 2011

A culpa é da Amy sim, mas...


Não creia no blá blá blá do artista problemático. Bowie não morreu com 27, Jagger também não. E mesmo os tipos suicidas (mais) literais como Cobain poderiam ter um fim diferente. Bastava um pouco de coragem para desrespeitar esse maldito culto à individualidade.

O que matou Amy Winehouse foi a ausência de uma categoria odiada pela nossa sociedade: o intrometido. Alguém que dissesse "eu sei que ela é adulta, mas foda-se, alguém tem que fazer algo". E dali começasse uma intervenção.

Mas por algum motivo, ninguém ligou. E ela morreu sozinha uma semana depois de ir ao pub que frequentava e dizer que queria parar de beber.

Não se meter é mais cômodo e fácil, mas seria melhor vê-la morta do que intervir?

O cara na beirada da ponte determinado a se matar pode mudar de idéia. Basta alguém dizer algo. E se falar não adiantar nada, é preciso fazer. Tirá-lo da ponte e tratá-lo, uma vez que ele perdeu a sanidade e é nossa obrigação tentar devolvê-la a ele.

Mesmo que seja à força, desrespeitando o sagrado direito de escolha. Porque às vezes é preciso desrespeitar a liberdade individual daquele indivíduo que se encontra em perigo. Da mesma maneira que seu pai um dia não permitiu que você atravessasse a pista sozinho, Amy precisava nesse momento da vida de uma mão firme.

Um comentário:

Liberalli disse...

Muito bom seu texto! é verdade, respeitamos demais a individualidade das pessoas, as vezes por muito menos invadimos o espaço do outro, e num momento em que o próximo precisa de ajuda, teimamos em respeitar!! Mais um talento se perdeu e assistimos como se fosse um show.

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Seguidores